Férias e Aviso Prévio — Blog Guia Trabalhista

O empregado que sai em férias já teve (presumindo que o empregador cumpriu com a obrigação legal) o crédito do adiantamento das férias efetuado em sua conta corrente ou recebido seus haveres por outras formas de pagamento 2 dias antes de sair de gozo. Como o próprio nome diz trata-se de um adiantamento de férias […]

via Férias e Aviso Prévio — Blog Guia Trabalhista

Prorrogado Prazo de Entrega da DeSTDA em MG e RJ — Guia Tributário

Através do Ajuste Sinief 13/2016, publicado no Diário Oficial da União de hoje, foram prorrogados os prazos finais de entrega da Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquotas e Antecipação – DeSTDA, nos estados de Minas Gerais e do Rio de Janeiro. O novo prazo final foi fixado para o dia 20 de janeiro de 2017, em relação […]

via Prorrogado Prazo de Entrega da DeSTDA em MG e RJ — Guia Tributário

Seguro-desemprego: quem tem direito?

O Seguro-Desemprego Formal foi instituído pela Lei n.º7.998, de 11 de janeiro de 1990, alterado pela Lei n.º 8.900, de 30 de junho de 1994 e posteriormente pela Lei n.º 13.134, de 16 de junho de 2015, com a finalidade de prover assistência financeira temporária a trabalhadores desempregados sem justa causa, e auxiliá-lo na manutenção e na busca de emprego, provendo para tanto, ações integradas de orientação, recolocação e qualificação profissional. O trabalhador no período que estiver recebendo o seguro-desemprego, não pode receber outra remuneração oriunda de vínculo empregatício formal ou informal.

Quem tem Direito?

· Trabalhador com registro em carteira demitido sem justa causa que tenha trabalhado por 12 meses nos últimos 18 meses;

· Pescadores em época de defeso (período de proibição de pesca)

· Empregados domésticos inscritos na Previdência Social que trabalharam 15 meses nos últimos 24 meses;

· Resgatados de trabalho similar ao escravo

· Empregados em requalificação profissional

Como Requerer?

Anteriormente, para fazer a solicitação, era necessário que o solicitante comparecesse a uma agência da Caixa Econômica Federal, portando todos os documentos, e aguardasse sua vez para que o atendente conferisse todos e procedesse a solicitação. Agora, para fazer o agendamento, basta entrar no site do Ministério do Trabalho e Emprego (http://saa.mte.gov.br/) e seguir as instruções a seguir:

– Procure na lista disponível na aba do lado esquerdo da tela e selecione o seu Estado;

-Selecione, na janela que se abre, a cidade onde você deseja fazer o agendamento;

– Informe, na próxima janela, os dados solicitados para encerrar o agendamento.

Fazer o agendamento para o seguro desemprego, desta maneira, facilita a vida do trabalhador que saberá o dia e a hora em que deve comparecer para fazer a solicitação. Havendo necessidade, você mesmo poderá remarcar a data, de acordo com sua disponibilidade.

No próprio agendamento, através dos dados solicitados, o trabalhador irá saber se sua condição dá direito ao recebimento, sendo procedido esse agendamento após o preenchimento de todas as informações. O sistema irá calcular as informações, compará-las com os dados anteriormente gravados sobre o empregado e definirá a data em que o trabalhador poderá comparecer à agência da Caixa Econômica para dar entrada nos documentos.

O Seguro Desemprego, como direito, também pode ser temporariamente suspenso no caso de o trabalhador conseguir novo emprego antes de receber todas as parcelas e, por alguma razão, ser demitido apenas alguns meses depois de sua admissão. Assim, poderá continuar recebendo as parcelas restantes, sem precisar fazer novo requerimento.

Quantidade de Parcelas

tumblr_inline_o7op0bvDYn1sqiad5_500

Valor do Benefício

Calcula-se o valor do Salário Médio dos últimos três meses anteriores a dispensa e aplica-se na fórmula abaixo:

tumblr_inline_o7op0wu6w81sqiad5_500

Obs: O valor do benefício não poderá ser inferior ao valor do Salário Mínimo.Salário Mínimo: R$ 880,00

A apuração do valor do benefício tem como base o salário mensal do último vínculo empregatício, na seguinte ordem:

1.     Tendo o trabalhador recebido três ou mais salários mensais a contar desse último vínculo empregatício, a apuração considerará a média dos salários dos últimos três meses;

2.     Caso o trabalhador, em vez dos três últimos salários daquele vínculo empregatício, tenha recebido apenas dois salários mensais, a apuração considerará a média dos salários dos dois últimos meses;

3.     Caso o trabalhador, em vez dos três ou dois últimos salários daquele mesmo vínculo empregatício, tenha recebido apenas o último salário mensal, este será considerado, para fins de apuração.

4.      Caso o trabalhador não tenha trabalhado integralmente em qualquer um dos últimos três meses, o salário será calculado com base no mês de trabalho completo.

Fonte: http://maisemprego.mte.gov.br/ e http://senadofederal.tumblr.com/

%d blogueiros gostam disto: